quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Facções criminosas instalam o clima de terror na Grande Ilha

No Recanto dos Vinhais, facção deixou recado audacioso aos motoristas de veículos que entram na região (Foto: Biaman Prado / O ESTADO)
Clima de terror foi instalado pelos integrantes de facções criminosas da noite de segunda-feira até o começo da tarde de ontem, na Região Metropolitana de São Luís. Criminosos participaram de tiroteios em vários pontos da cidade e trocaram tiros com policiais militares, ameaçaram pessoas, invadiram residências e são suspeitos de, pelo menos, cinco assassinatos. Um total de 22 homicídios dolosos já ocorreu durante este mês na Ilha, segundo informes da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP).

A polícia informou que existe a possibilidade da onda de violência e criminalidade ter ligação com a morte do ex-presidiário e líder de uma facção criminosa, Yuri de Paula Silva, Chacal, de 26 anos, que ocorreu na tarde de domingo, 12, na Estrada da Maioba, em Paço do Lumiar. Também foi assassinado na ocasião, o cabo da Polícia Militar (PM), Josélio Rocha Sousa, de 45 anos, que era padrasto de Chacal. Há informações de que o Serviço de Inteligência da PM teria ciência dessa ação criminosa, mas não conseguiu prender os acusados antecipadamente.
Ameaça e mortes
Mensagens de ameaças a população feitas por criminosos são vistas em diversos pontos da capital. Uma delas está grafada na parede de uma residência no Recanto dos Vinhais, que avisa que os motoristas devem baixar o vidro do veículo ao entrar na comunidade, caso contrário podem ser penalizados.

Uma nova onda de assassinatos começou na noite da última segunda-feira,13, tendo como vítima um adolescente, de 16 anos. De acordo com a polícia, dois integrantes de uma facção criminosa teriam matado a tiros o adolescente, na Vila Cascavel, área do São Raimundo. Há informações de que a vítima também era integrante de facção criminosa e tinha passagem pela Delegacia do Adolescente Infrator (DAI).

O corpo do adolescente foi removido para o Instituto Médico Legal (IML), no Bacanga, para ser periciado e liberado na manhã de ontem para os familiares. A equipe da Superintendência Estadual de Homicídios e Proteção (SHPP) está investigando o caso, mas até a noite d ontem não havia registro da prisão dos acusados.
Pânico
Cerca de 10 integrantes de facções criminosas instalaram clima de pânico na Vila Embratel no decorrer da madrugada de ontem, 14, e executaram Miguel Souza Filho, o Pixote, de 23 anos. “Era um bando criminoso fortemente armado e no local encontraram várias cápsulas de munições de ponto 40, 380 e 38”, declarou o sargento Mariano, lotado no 1º Batalhão da Polícia Militar, em entrevista à Rádio Mirante AM.

Ainda segundo o militar, existe a possibilidade da onda de criminalidade ter sido fruto da morte de Chacal. O sargento disse que esses criminosos invadiram a 2ª Travessa da Rua São Pedro da Vila Embratel durante a noite de segunda-feira, 13 e invadiram várias casas, efetuaram tiros em via pública e roubaram vários pontos comerciais e moradores.

O sargento também informou que na madrugada de ontem, 14, este grupo criminoso retornou a mesma localidade e executou Pixote, em via pública. Os criminosos, antes de fugirem, trocaram tiros com guarnições militares. Várias cápsulas foram encontradas ao lado do corpo da vítima e ainda haviam marcas de tiros na parede das casas. “Pixote tinha várias passagens pela polícia e era integrante de bando”, explicou o militar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais visitadas