quinta-feira, 5 de abril de 2018

O dirigente do ( MST ) prometeu ocupar “todos os prédios públicos” e “todas as terras”, com “porrada, guerra e luta”.


Brasília. Após o voto contrário a Lula dado pela ministra Rosa Weber, o dirigente do Movimento Sem-Terra (MST), Alexandre Conceição, prometeu nesta quarta-feira (4) ocupar “todos os prédios públicos” e “todas as terras”, com “porrada, guerra e luta”. A fala arrematou o ato desta quarta, em Brasília, em desagravo ao ex-presidente Lula (PT), que teve seu habeas corpus julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).
O fim do protesto seria antecipado após um “grave comunicado”, avisou o locutor, explicando em seguida que Rosa Weber tinha esmagado as chances de vitória na Corte, já que dificilmente Cármen Lúcia votaria em favor de Lula.
“Não haverá terra que não será ocupada, não haverá arrego. Não haverá nenhum prédio público que não será ocupado”, afirmou o militante do MST em tom exaltado, para uma plateia na qual muitos choravam.
“Não tem mais valsa. É porrada, é guerra, é luta e venceremos”, acrescentou depois. Lembrando de líderes progressistas assassinados, do pastor americano Martin Luther King à vereadora carioca Marielle Franco, ele defendeu que haja “um abril vermelho”.
O discurso de Conceição oscilou entre o bélico e o apaziguador. A certa altura, disse não estar “chamando ninguém para a guerra” e pregou “paz, democracia, não intervenção militar”. Em seguida contrapôs os “únicos dois lados desta história”: “O dos negros, pobres, o povo humilhado” contra “o daqueles que nos chicotearam, que nos meteram tiros, ovos e bala”, disse em referência a ataques contra a caravana no Paraná.
A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, que teve sua presença no trio elétrico anunciada mais cedo, não deu as caras. A poucos metros do protesto, ouvia-se o Hino Nacional e gritos de comemoração vindos de um ato anti-Lula.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais visitadas