domingo, 20 de janeiro de 2019

PF PRENDE CINCO DE BACABAL POR FRAUDE NO SEGURO DEFESO EM MOSSORÓ







Do: mossorohoje
Quadrilha falsificava documentos e se apresentavam nas agencias bancárias para receberem o benefício como se fosse pescadores prejudicados com o defesa da pesca artesanal.

A Polícia Federal prendeu quatro mulheres e um homem de Bacabal (MA) por crimes de estelionato e falsificação e documentos para sacar recursos do Governo Federal destinado ao seguro defeso.
São elas:
L.C.O., 38 anos, desempregada;
M.S.B.S., de 30 anos, do lar;
F.S.S., de 41 anos de idade, do lar;
G.L.C., 28 anos, doméstico
L.C.O., de 27 anos, vendedor.
A fraude foi descoberta e os suspeitos presos após um servidor da Caixa Econômica Federal perceber que o homem da quadrilha estava usando documentos falsos.
O servidor da Caixa chamou a Polícia Federal ao perceber que o cidadão queria sacar indevidamente parcelas do seguro defeso como se fosse pescador artesanal de Mossoró.
O delegado da PF em Mossoró, Breno Morais, disse que o sujeito quando percebeu que o servidor da Caixa havia ido averiguar o documento fugiu da caixa.
De posse do documento, os agentes federais localizaram o endereço e descobriram que se tratava de uma organização criminosa que já aplicou golpes em cinco estados.
A quadrilha estava numa casa alugada no Bairro Aeroporto. Na casa da quadrilha, a PF apreendeu uma Amarok, celulares e mais documentos falsos.
Uma criança de três anos filha de uma das presas foi encaminhada ao Conselho Tutelar para acolhimento. O prejuízo ao INSS se aproxima de R$ 40 mil.
O grupo criminoso foi autuado por estelionato, uso de documentos falsos e organização criminosa.
As penas máximas somadas para esses tipos de crime, segundo o Dr. Breno Morais, podem chegar a 19 anos de prisão.
Após os procedimentos na Polícia Federal, as cinco pessoas presas foram encaminhadas ao ITEP, onde passaram por exames de corpo de delito.
As mulheres ficaram custodiadas na Penitenciária Mário Negócio e o homem na Cadeia Pública, onde estão a disposição da justiça federal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais visitadas